[CONTO]: 'Silêncio no Deserto'

Eu acordei. Ouvia barulho lá embaixo, os sons matinais da casa, familiares discutiam algum assunto banal. Através da janela, escutava pássaros fazendo algazarra. No vizinho, a música eletrônica estrondava no volume máximo.

Levantei da cama, desci as escadas. Olhei ao redor, silêncio. Não havia ninguém em casa. No fogão, o arroz queimava, produzindo um chiado. Exceto por isso, silêncio. 

Não me importei ao ver a casa vazia, estava acostumado a isso e admito, apreciava. Fui para o banho e quando saí, percebi que os animais também não estavam presentes. O poleiro do papagaio estava abandonado, o gato não se encontrava e até os peixes haviam sumido do tanque.

Mas não me preocupei, deveria existir alguma explicação. E eu a descobriria quando minha família retornasse de onde quer que tenha ido. Me alimentei do que sobrou do café da manhã. 

Algumas horas se passaram  e o silêncio ainda reinava. Mas o barulho do silêncio estava em todo lugar. Não havia um ruído sequer nas residências vizinhas ou na rua. Decidi sair para verificar se encontrava alguém. Nada. Nenhum pássaro no céu, nenhuma pessoa na rua. 

Percorri as ruas da cidade à procura de um ser vivo, qualquer que fosse, mas nada consegui encontrar. Era como se todos sumissem numa fração de segundo e, então, eu tive a certeza: eu estava sozinho no mundo.


Postagens mais visitadas deste blog

As Casas de Westeros - Casa Targaryen ATUALIZADO

| Resenha | Coisas Que o Tempo Levou, de Raimundo de Menezes

Filme: Narradores de Javé